Quarta-feira, 15 de Julho de 2009
Capitão Maxi Pereira

Ainda a propósito do estágio, e independentemente de certos raides anti-benfiquistas já aqui denunciados, aproveito para voltar ao homem que na minha opinião mais fez por dizer aos emigrantes “Aqui está o Benfica”: Maxi Pereira.

Nesta linha, sou de opinião que pela sua atitude dentro e fora do campo, Maxi Pereira foi a figura deste estágio. Sóbrio e humilde como sempre, Maxi soube dar expressão ao que considero serem os valores mais intrínsecos do que é ser Benfiquista, batalhando perante a urgência de refundar a mística de que já aqui se falou e a que prometo voltar tantas vezes quanto for preciso, tantas vezes quantas a paixão o justificar.

Para o Maxi abro aspas e deixo as palavras que José Ribeiro e Castro escreveu no jornal i sobre  o tema “Ser do Benfica”. Texto truncado apenas para filtrar tudo o que possa dizer respeito ao malogrado processo eleitoral que o contextualiza mas que é passado. Texto truncado para dar apenas lugar à mística, à poesia e à grandeza do que é Ser do Benfica que tão bem fica ao nosso mais recente “capitão”  Maxi Pereira:

 

“Ser do Benfica é um código de luta e galhardia, de garra e ambição. É estar a perder, recuperar e triunfar, como nos 5 a 3 da final contra o Real Madrid na segunda Taça dos Campeões Europeus. É vencer na adversidade o que parecia impossível, ganhar por 3 ao Ajax, na Holanda, jogando literalmente sobre a neve. É a espantosa vitória, também por 3, sobre o Arsenal em Londres. Ou, no ambiente maravilhoso, escaldante, poderoso de Anfield Road, surpreender o Liverpool com aquele golaço do Simão. É o nariz partido do Germano na primeira Taça dos Campeões Europeus, a capacidade de sofrer, resistir, guardar a vantagem, trazer a taça. É encaixar os golpes, mesmo os mais duros, levantar a cabeça e ir ganhar, ser esmagado 7 a 1 pelo Sporting e ser campeão nacional nesse mesmo ano. É a desforra dos 6 a 3 em Alvalade. É o Eusébio. É Eusébio, Torres e Simões. É Mário Coluna ou Humberto Coelho. É o Jaime Graça, o Isaías, o Veloso, o grande Bento. É Peixoto Alves, António Leitão, Alexandre Yokochi, Vítor Fortunato, Paulo Almeida, Jean Jacques, Carlos Lisboa. É Carlos Dantas. Tantos, tantos outros. É Ricardinho. É o Nelson Évora e a Telma Monteiro. É a Vanessa Fernandes. É a graça de dizer “tivemos mais medalhas que Portugal”, porque, nos Jogos de Pequim, além de Nelson e Vanessa, somámos o título do Di María pela Argentina.

(…)

Ser do Benfica é um código de desinteresse e de paixão, de crença e de entrega. É brio. É peito aberto. É ser de todos. É querer ultrapassar-se, ser melhor, ir mais além. É uma pertença de brio. É glória. É a águia.”

 

Maxi até se pode surpreender com as demonstrações de benfiquismo Mundo fora (quem não se surpreende às vezes?)... Mas é notório que ainda antes de cá chegar já a chama imensa do brio, da humildade, do trabalho, do mérito, e da vitória o conquistavam.

Para quem tem dúvidas: a braçadeira de capitão no Benfica não é dos Mestres, é dos Homens de Bem!



publicado por Miguel Pimentel às 14:00
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

No terceiro anel
Pesquisa
 
Últ. comentários
Realmente não quis. Mea Culpa...
Não posso deixar de concordar contigo
Viva o Quim
Não quer dizer nada
Com o Paulo Bentoo os problemas foram sanados e a ...
Adoro este blog e já o leio à alguns dias a seguir...
O Roberto também foi dispensado pelo Quique...
Desculpem caros benfiquistas, encontrei este blog ...
Ta explicado! Não é preciso dizer mais nada ...
Benfica ... who else?
Mais comentados
Arquivos

Agosto 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Outras bancadas
Tags

todas as tags

Subscrever feeds